Página Inicial

Siga-nos:

15.7.2019

Opinião

"Uma cidade que gera um jogador fantástico como o GRANDE LEONARDO só pode ser uma cidade muito especial! OBRIGADO POR TUDO, PICOS! PERNAMBUCO JAMAIS ESQUECERÁ O FILHO DE VOCÊS! LEONARDO MARCOU ÉPOCA NO BRASIL INTEIRO! "


De: Sergio Silva em Recife, 04/03/2016 11:30:14h

[ Veja mais ]

Você está lendo a coluna: Brasil

PROCURADORA-GERAL

Raquel Dodge arquiva inquérito contra Aécio Neves

Procuradora-geral considerou que não há, no momento, suporte fático e jurídico para dar continuidade à investigação

G1  

11/09/2018

Foto: reprodução

clique para ver a foto em tamanho real

Senador Aécio Neves (PSDB-MG).

A procuradora-geral Raquel Dodge arquivou inquérito no qual o senador Aécio Neves (PSDB) era investigado por supostamente enviar registros bancários falsos à CPMI dos Correios, em 2005 e 2006. “Considerando que não há, no momento, suporte fático e jurídico para dar continuidade à investigação, ante a falta de elementos mínimos de materialidade e de autoria delitiva, com base no artigo 231-§4º do Regimento Interno do Supremo, promovo o arquivamento deste inquérito, ressalvando a possibilidade de revisão em caso de surgimento de novos elementos.”

 

O inquérito foi aberto para apurar se Aécio e outros políticos teriam praticado crime durante os trabalhos da CPMI dos Correios e se teria havido conivência do então presidente da Comissão, o então senador Delcídio Amaral, ‘de modo a beneficiar Aécio Neves e Clésio de Andrade, governador e vice-governador de Minas, respectivamente, à época’.

 

A investigação teve base na delação premiada de Delcídio na Operação Lava Jato. Ele afirmou que o Banco Rural ‘operaria relações financeiras ilícitas entre Marcos Valério e a Assembleia Legislativa de Minas Gerais’.

 

Aécio e Clésio, segundo Delcídio, temiam que tais informações fossem repassadas para a CPMI dos Correios.

 

Delcídio afirmou, ainda, que, durante a CPMJ dos Correios, ‘foi procurado por Eduardo Paes, então secretário-geral do PSDB, que, na condição de emissário de Aécio Neves, solicitou-lhe a prorrogação do prazo concedido ao Banco Rural para que este modificasse as informações bancárias encaminhadas à CPMI de modo a impedir a vinculação de empréstimos fraudulentos realizados pelas empresas de Marcos Valério’.

 

Ao arquivar o inquérito, a procuradora-geral enfatizou ‘ausência de justa causa para ação penal e inexistência de outras diligências úteis’.

 

“O inquérito não coligiu provas da autoria e da materialidade dos crimes investigados. A autoridade policial delineia, no relatório final, suspeitas de ilicitude durante os trabalhos da CPMI dos Correios. Todavia, a autoridade policial não recolheu provas ou elementos de convicção suficientes para corroborar as declarações do colaborador (Delcídio) e permitir a instauração da ação penal.”

 

No relatório final, a Polícia Federal afirma que, em meados de 2005, durante os trabalhos da CPMI dos Correios, Aécio e Clésio, via ‘pessoa não plenamente identificada’, ofereceram ou prometeram, ainda que tacitamente, indevida e futura vantagem política para que Delcídio, na condição de presidente da CPMI, ‘praticasse ato de oficio contrário a seu dever legal, para evitar que autoridades públicas e a sociedade civil tivessem ciência e acesso aos indícios presentes’.

 

“A autoridade policial apontou que não há mais diligências investigatórias possíveis de serem feitas”, assinala Raquel. “Apurou fatos que não caracterizam crime de corrupção, mas poderia amoldar-se ao delito do artigo 317, §2º, cuja pena máxima cominada é de um ano e, por isso, já está prescrito.”

 

Segundo a procuradora, a PF ‘não conseguiu identificar e comprovar a atuação desse ’emissário’ de Aécio e Clésio’. “Por isso, não se pode, livre de dúvidas, afirmar que a promessa de vantagem indevida ocorreu da forma como narrada pelo colaborador Delcídio”, adverte Raquel. “Em realidade, sem que o inquérito tenha comprovado quem é o portador da mensagem com oferecimento de vantagem indevida, sequer é possível afirmar, com o nível de segurança exigido para oferecer denúncia, que tal oferecimento tenha ocorrido.”

 

“Além disso, ante o tempo decorrido desde o ano 2005, quando os fatos teriam ocorrido, a autoridade policial não vislumbra outras diligências que lhe permitam elucidar os fatos e sua autoria, além das diversas medidas já adotadas, que eram potencialmente úteis ao avanço da apuração, mas não desvendaram os fatos em sua inteireza, como assinalado”, segue a procuradora.

 

“Além das medidas adotadas pela autoridade policial, todas as diligências requeridas pela Procuradoria Geral da República e autorizadas pelo Supremo Tribunal Federal foram cumpridas, não havendo mais linha investigativa a seguir. Nesse contexto, não há elementos suficientes para fundamentar a continuidade do inquérito e, por mais forte razão, a propositura da ação penal. A única providência a ser tomada na espécie, portanto, é o arquivamento do inquérito.”

 

O criminalista Alberto Zacharias Toron, que defende o senador Aécio Neves, considerou a iniciativa de Raquel Dodge ‘um grande avanço’. “Depois de tantos prejuízos causados à imagem do senador Aécio Neves, o próprio Ministério Público Federal reconhece a inexistência de crime da sua parte. Considero um grande avanço.”

.:: ComentarCorrigirEnviar por e-mailImprimir ::.

Comentários desta matéria:

Não há comentários para a matéria no momento.

Outras desta mesma coluna:

12-07-2019 :: Água potável perdida diariamente equivale a 7 mil piscinas olímpicas, aponta estudo

10-07-2019 :: Jornalista Paulo Henrique Amorim

04-07-2019 :: Câmara aprova texto da reforma da Previdência

04-07-2019 :: Bolsonaro diz que ‘política mudou’ e que não é preciso pacto no papel para governar

28-06-2019 :: W.Dias e Rui Costa assinam abaixo-assinado pela liberdade de Lula

26-06-2019 :: Sasc assina convênio para emissão de Carteiras de Trabalho

26-06-2019 :: Câmara aprova texto-base de nova Lei de Licitações

17-06-2019 :: Deputados abortaram a nova Previdência”, diz ministro Paulo Guedes

17-06-2019 :: Governo acaba com obrigatoriedade de simulador para tirar carteira

05-06-2019 :: STJ determina que João de Deus, no hospital desde março, volte à prisão

13-05-2019 :: Stefhany Absoluta mais uma vez passa vergonha no Programa Silvio Santos

09-05-2019 :: Determina que Michel Temer e Coronel Lima voltem à prisão

26-04-2019 :: *Percentual de presos estudando no Piauí é o maior do Brasil

22-04-2019 :: Eventos do setor elétrico terão investimento de 1,5 mi de reais da Eletrobrás

14-03-2019 :: Piauienses nascidos em maio e junho têm R$ 28,6 mi para receber do PIS

[ Todas desta coluna ]

procords - procordis lamep - lamep Alencauto - alencauto Gutenberg - gutenberg marquês frios - marquês frios disnomed - disnomed

© 2009 - Jornal de Picos - Todos os direitos reservados - E-mail: contato@jornaldepicos.com.br

Somente os artigos não assinados são de responsabilidade deste portal. Os demais, não representam necessariamente a opinião desta editoria e são de inteira responsabilidade de seus autores.