Warning: mysql_result() [function.mysql-result]: Unable to jump to row 0 on MySQL result index 12 in /home/storage/a/dc/17/jornaldepicos/public_html/noticia_detalhe.php on line 144

Warning: mysql_result() [function.mysql-result]: Unable to jump to row 0 on MySQL result index 12 in /home/storage/a/dc/17/jornaldepicos/public_html/noticia_detalhe.php on line 145

Warning: mysql_result() [function.mysql-result]: Unable to jump to row 0 on MySQL result index 12 in /home/storage/a/dc/17/jornaldepicos/public_html/noticia_detalhe.php on line 146

Warning: mysql_result() [function.mysql-result]: Unable to jump to row 0 on MySQL result index 12 in /home/storage/a/dc/17/jornaldepicos/public_html/noticia_detalhe.php on line 147

Warning: mysql_result() [function.mysql-result]: Unable to jump to row 0 on MySQL result index 12 in /home/storage/a/dc/17/jornaldepicos/public_html/noticia_detalhe.php on line 148
Jornal de Picos :: Notícias de Picos e macrorregião
Página Inicial

Siga-nos:

17.1.2020

Opinião

"Uma cidade que gera um jogador fantástico como o GRANDE LEONARDO só pode ser uma cidade muito especial! OBRIGADO POR TUDO, PICOS! PERNAMBUCO JAMAIS ESQUECERÁ O FILHO DE VOCÊS! LEONARDO MARCOU ÉPOCA NO BRASIL INTEIRO! "


De: Sergio Silva em Recife, 04/03/2016 11:30:14h

[ Veja mais ]

Você está lendo a coluna: Artigos

Crônica

O caju e as cinzas

.

Por Diassis Souza 

22/08/2019

A cultura de subsistência era o que predominava na zona tórrida do nordeste brasileiro, na região do semiárido. O feijão e o milho nunca deixaram de ser cultivados por aqueles que trabalhavam a terra e dali retiravam o sustento da família. Apenas o excedente, quando havia, era comercializado na feira livre, a fim de garantir a compra de uma roupa nova para o filho, ou até mesmo de um fogão a gás, sonho de toda dona de casa, habitante desta faixa de terra.

O algodão se apresentou como o primeiro ciclo econômico da região. Por muito tempo, foi o ouro branco do sertão. Um dos principais meios de sobrevivência dos grandes e pequenos agricultores. No entanto, por conta da ausência de políticas públicas em defesa do pequeno produtor rural, sobretudo, assistência técnica, o algodão foi aos poucos sendo consumido por uma praga, apenas conhecida como ‘bicudo’. Vencido, sem nenhuma alternativa que possibilitasse salvar a lavoura, a produção foi cessando até o seu esgotamento final. E hoje, esquecido no seio da caatinga, a presença de um pé aqui, outro acolá, é apenas o testemunho que faz brotar na lembrança a sentença de um tempo que não volta mais.

Daí sobressaiu à mandioca para aqueles que possuíam terras na região das chapadas de solo macio, onde a enxada corria solta entre a plantação. Porém, ao longo dos anos, com a seca mais presente, tudo foi fracassando, como diz o caboclo. De vinte arrancas, foi-se resumindo para quinze, dez, cinco... “A falta d’aqua acaba com tudo”. Sobrou apenas o caju, cultivado no mesmo tipo de solo que a mandioca, um dia, prosperou.

Da família das Anacardiáceas (Anacardium occidentale Linn), o caju é uma planta adaptável ao clima seco, pois não necessita de tanta água para sobreviver; o fruto, para todos os efeitos no conceito prático, varia no tamanho, na forma, cor e sabor. O pedúnculo infla-se pelo acúmulo nos tecidos de um líquido aquoso e, dependendo da variedade, pode ser doce ou azedo. A castanha, o fruto de fato, com o mesocarpo espesso, contendo óleo viscoso, cáustico e inflamável, possui, no interior, uma amêndoa revestida por uma película com dois cotilédones carnosos e oleosos.

O caju maduro, além das qualidades gustativas, é recomendado pelo alto valor alimentar e suas virtudes medicamentosas. É a substância comestível mais rica em vitamina C. Daí, o suco de caju ser um reconstituinte geral, um tônico de primeira ordem, além de ser desintoxicador, diurético e depurativo.

Para a tristeza dos produtores, a cultura do caju é mais um ciclo econômico que, pela falta de chuva, se esvai do sertão nordestino A última safra não passou pela colheita do pseudofruto, nem da castanha. O saldo resumiu-se nos troncos secos de tão mortos que foram cortados, empilhados e comercializados para fornecerem energia às fábricas de farinha e de gesso, no alto da chapada do Araripe. Nos campos, antes verde, uma camada de areia desponta adormecida na amargura causticante dos raios do Sol. Quanta solidão! 

Francisco de Assis Sousa é professor e cronista. Email: frassis88@hotmail.com

.:: ComentarCorrigirEnviar por e-mailImprimir ::.

Comentários desta matéria:

Não há comentários para a matéria no momento.

Outras desta mesma coluna:

16-01-2020 :: A Volta das filas do INSS

24-12-2019 :: COMO ENTENDER O BRASIL

18-12-2019 :: Dr. Pascoal ministra palestra na 1ª Semana de Engenharia

17-12-2019 :: Zózimo Tavares é eleito presidente da Academia Piauiense de Letras

10-12-2019 :: Acusado de crimes é morto a tiros dentro de residência de Marcolândia

23-09-2019 :: Câmara de Picos lamenta morte de advogado

22-08-2019 :: O caju e as cinzas

26-07-2019 :: Pronto Socorro do HRJL deverá ser entregue em 20 dias

25-07-2019 :: A seca não é culpada dos problemas do Nordeste

24-07-2019 :: Lagoa do Portinho em Parnaíba já recebeu mais de 40 mil turistas em julho

25-06-2019 :: Exposição: Graciliano Ramos e Vidas Secas desfilam em escola de Vila Nova do Piauí.

15-06-2019 :: Crônica: A seca não pede passagem!!! Veja fotos!

31-05-2019 :: O mundo de Juvita

21-05-2019 :: O que significa Jair Bolsonaro no poder (Por Jessé Souza)

08-03-2019 :: Gênero Mulher

[ Todas desta coluna ]

clinica popular - clinica popular procords - procordis dario - dario otica kika - otica kika

© 2009 - Jornal de Picos - Todos os direitos reservados - E-mail: contato@jornaldepicos.com.br

Somente os artigos não assinados são de responsabilidade deste portal. Os demais, não representam necessariamente a opinião desta editoria e são de inteira responsabilidade de seus autores.